João Paulo Coutinho

Vivemos em um momento que a Transformação Digital se tornou tema essencial para o crescimento e perpetuidade das organizações. Essa transformação vai além da tecnologia, ela reinventa o modelo de negócio e a estratégia da empresa, exigindo assim não apenas mudanças nos processos ou na tecnologia, mas principalmente mudanças comportamentais.

Como já disse nesse texto, área de Recursos Humanos tem papel fundamental nesse momento, para além de conhecer quais são os novos desafios do negócio, analisar quais comportamentos e habilidades serão necessárias nessa fase, preparando o time e desenvolvendo e adequando a cultura organizacional de forma a colaborar para que o resultado desejado seja atingido.

Sabemos que a cultura organizacional é composta por aspectos que são visíveis e facilmente identificados no dia a dia da empresa (estratégias, hierarquias, ambiente de trabalho) e por aspectos invisíveis (crenças, valores e influências de poder). Quando falamos de cultura organizacional falamos de elementos que dão identidade à empresa. E não é tarefa fácil para empresas já estabelecidas alcançarem a cultura organizacional ideal para a transformação digital.

Ter uma estratégia digital é essencial para que a transformação aconteça, mas é preciso que exista uma cultura favorável à sua implementação. Empresas com uma cultura mais adaptativa, flexível e aberta a mudanças, que incentiva à inovação e tolera o erro, são mais aderentes a desenvolver capacidades digitais nas quais as atividades, as pessoas, a estrutura e os processos estão em sincronia e alinhados com os objetivos estratégicos.

Para que a mudança ocorra, é importante ter no radar esses três itens: papel da liderança, remoção dos silos funcionais e departamentais (acontecem quando as pessoas têm dificuldade em colaborar com colegas de trabalho que atuam em departamentos, áreas ou equipes diferentes) e a disposição de correr riscos.

E como alinhar a cultura organizacional da minha empresa a estratégia digital? Comece a priorizar esses três desafios:

1. Liderança

É preciso que a alta gestão esteja comprometida e engajada, suportando toda a jornada. Isso faz passa credibilidade e faz que os colaboradores também “vistam a camisa” nessa transformação.  Os líderes precisam estar atento as mudanças necessárias no seu estilo de tomar decisão, ter uma visão das oportunidades digitais. Ele passa a ser um facilitador e não mais um tomador de decisões de cima para baixo. O trabalho deve acontecer em rede, com equipes horizontalizadas.

2. Integração das áreas

Remover os silos funcionais e departamentais e criar equipes multifuncionais, dispostas a trabalharem de forma auto organizada, não hierárquica, focadas em atender as necessidades dos clientes.

3. Riscos Calculados

Os líderes devem estar abertos a iniciativas arrojadas e, portanto arriscadas. É preciso correr riscos calculados, colocando em prática múltiplas iniciativas e experiências em pequena escala, que podem gerar pequenos custos em caso de falha, mas com uma possibilidade enorme de produzir descobertas valiosas.

O mais importante é pensar que ficar parado não leva à lugar algum. As empresas que não se transformarem, mesmo que de forma gradativa, não sobreviverão. A cultura deve ser o alicerce da Transformação Digital, que começa com pequenas mudanças, criando um ambiente cada vez mais diversos, onde compartilhamento e colaboração sejam hábitos, gerando assim conhecimento, confiança e agilidade, fatores importantes para esse futuro que já se faz presente.