Transformação Digital e a Cultura Organizacional: desafios e oportunidades

João Paulo Coutinho

Vivemos em um momento que a Transformação Digital se tornou tema essencial para o crescimento e perpetuidade das organizações. Essa transformação vai além da tecnologia, ela reinventa o modelo de negócio e a estratégia da empresa, exigindo assim não apenas mudanças nos processos ou na tecnologia, mas principalmente mudanças comportamentais.

Como já disse nesse texto, área de Recursos Humanos tem papel fundamental nesse momento, para além de conhecer quais são os novos desafios do negócio, analisar quais comportamentos e habilidades serão necessárias nessa fase, preparando o time e desenvolvendo e adequando a cultura organizacional de forma a colaborar para que o resultado desejado seja atingido.

Sabemos que a cultura organizacional é composta por aspectos que são visíveis e facilmente identificados no dia a dia da empresa (estratégias, hierarquias, ambiente de trabalho) e por aspectos invisíveis (crenças, valores e influências de poder). Quando falamos de cultura organizacional falamos de elementos que dão identidade à empresa. E não é tarefa fácil para empresas já estabelecidas alcançarem a cultura organizacional ideal para a transformação digital.

Ter uma estratégia digital é essencial para que a transformação aconteça, mas é preciso que exista uma cultura favorável à sua implementação. Empresas com uma cultura mais adaptativa, flexível e aberta a mudanças, que incentiva à inovação e tolera o erro, são mais aderentes a desenvolver capacidades digitais nas quais as atividades, as pessoas, a estrutura e os processos estão em sincronia e alinhados com os objetivos estratégicos.

Para que a mudança ocorra, é importante ter no radar esses três itens: papel da liderança, remoção dos silos funcionais e departamentais (acontecem quando as pessoas têm dificuldade em colaborar com colegas de trabalho que atuam em departamentos, áreas ou equipes diferentes) e a disposição de correr riscos.

E como alinhar a cultura organizacional da minha empresa a estratégia digital? Comece a priorizar esses três desafios:

1. Liderança

É preciso que a alta gestão esteja comprometida e engajada, suportando toda a jornada. Isso faz passa credibilidade e faz que os colaboradores também “vistam a camisa” nessa transformação.  Os líderes precisam estar atento as mudanças necessárias no seu estilo de tomar decisão, ter uma visão das oportunidades digitais. Ele passa a ser um facilitador e não mais um tomador de decisões de cima para baixo. O trabalho deve acontecer em rede, com equipes horizontalizadas.

2. Integração das áreas

Remover os silos funcionais e departamentais e criar equipes multifuncionais, dispostas a trabalharem de forma auto organizada, não hierárquica, focadas em atender as necessidades dos clientes.

3. Riscos Calculados

Os líderes devem estar abertos a iniciativas arrojadas e, portanto arriscadas. É preciso correr riscos calculados, colocando em prática múltiplas iniciativas e experiências em pequena escala, que podem gerar pequenos custos em caso de falha, mas com uma possibilidade enorme de produzir descobertas valiosas.

O mais importante é pensar que ficar parado não leva à lugar algum. As empresas que não se transformarem, mesmo que de forma gradativa, não sobreviverão. A cultura deve ser o alicerce da Transformação Digital, que começa com pequenas mudanças, criando um ambiente cada vez mais diversos, onde compartilhamento e colaboração sejam hábitos, gerando assim conhecimento, confiança e agilidade, fatores importantes para esse futuro que já se faz presente.

O papel do RH na Transformação Digital

João Paulo Coutinho

Nossa forma de trabalhar já mudou completamente em relação a alguns anos. Na medida em que diversos sistemas estão deixando de depender fisicamente da estrutura da empresa e começam a se instalar na nuvem, as barreiras entre trabalho e vida pessoal se dissolvem de forma irreversível. Mobilidade, agilidade, automação e inteligência artificial são algumas das palavras que passaram a habitar o nosso dicionário corporativo. E elas estão mudando as rotinas de trabalho nas organizações e a forma de se fazer gestão de pessoas.

É preciso admitir que, do ponto de vista tecnológico, o RH está atrasado. Em nosso dia a dia, vários processos que eram demorados ou incertos, hoje, acontecem em poucos cliques. Sabemos que os colaboradores são digitais em suas vidas pessoas, usando as redes sociais, fazendo compras e pagando suas contas online. Solicitar e administrar um cartão de crédito é muito mais simples que receber e entender um holerite. Existe aí um grande potencial nesse interesse digital dos colaboradores e cabe a organização entender como atuar nesse cenário.

Uma atualização importante e necessária na área de gente é a substituição dos sistemas legados por uma plataforma em nuvem integrada. Atualizar ferramentas antigas de treinamento, recrutamento e gestão do desempenho, e trazer sistemas que sejam intuitivos e fáceis de usar. Busque na equipe, profissionais que gostem de explorar novas soluções de fornecedores e construir coisas novas. Considere soluções de Inteligência Artificial para melhorar a prestação de serviços, o recrutamento e o aprendizado.

A transformação digital está acontecendo em todas as áreas das empresas e a gestão de pessoas não pode ficar para trás. Essa transformação deve ser liderada pelo RH, visto que a primeira mudança necessária é muitas vezes, na cultura da empresa. Como já disse nesse meu texto, as pessoas devem estar no centro de todo esse processo. A primeira grande transformação deve ser a mudança de mindset, que vai refletir em mudanças de atitude e consequentemente novos e melhores resultados.

A área de gestão de pessoas precisa começar a desenvolver nos colaboradores skills como prontidão para trabalhar, muito em conta do novo conceito de home office, onde o colaborador escolhe vir para o office pois ele é uma extensão da sua casa ou fica em casa pois os escritórios se tornam móveis, cabem em uma mochila e qualquer espaço pode se tornar um ambiente de trabalho.

Outra competência que deve ser desenvolvida certamente é a colaboração e o trabalho em equipe. As tradicionais áreas de uma empresa passam a conviver com times multifuncionais que se formam e se diluem com velocidade, para desenvolver projetos que vão mover a empresa para novas oportunidades. As pessoas podem e devem trabalhar por projetos. E todo o espaço físico da empresa deve contribuir para que exista colaboração, co-criação e interação entre os colaboradores. Considerando esse contexto, faz pouco sentido o conceito de avaliação e feedback anual, feito por um chefe. O feedback deve ser fornecido por diversos profissionais, por seus pares, parceiros nos projetos, com uma frequência maior.

Lideranças passam a entender que se trabalho é na verdade aprendizado, e parte do aprendizado é falhar no curto prazo para aprender com isso, o erro se torna elemento essencial do trabalho e deve ser aceito como maneira de alavancar resultados e o potencial inovador da organização. Errar é permitido, mas é preciso aprender com o erro e se adaptar e corrigir rapidamente. Daí os métodos ágeis serem tão aderentes na Transformação Digital.

Com tanta liberdade e oportunidades para manifestar seu talento e criatividade nascem também novas responsabilidades. O colaborador deverá assumir responsabilidade pelos resultados que gera e ser recompensado à medida que gera esses resultados. Vemos uma mudança na forma de recompensar. Recompensas instantâneas reforçam o feedback de maneira poderosa. Quando os aumentos só veem de forma anual, eles fazem pouco sentido, por conta da passagem do tempo.

Na Transformação Digital é papel do RH garantir que cada profissional possua as habilidades mais importantes para suas áreas e projetos. É preciso ter certeza que as novas competências digitais também existam no profissional. O papel do RH é fundamental para garantir que a transformação digital mude a empresa para melhor, pensando principalmente nas pessoas que compõem toda a organização. Há um cenário de desafios pela frente para os profissionais do RH. No entanto, ele pode ser uma grande oportunidade para a nova geração de profissionais da área se destacar e assumir o papel estratégico que é tão esperado do RH pelos executivos.

RH 4.0: o futuro chegou

João Paulo Coutinho

Não é difícil perceber que a tecnologia mudou várias rotinas da nossa vida. Falar com alguém que está em outro estado usando voz e vídeo, movimentar a conta bancária pelo smartphone, ouvir aquela música que não sai da cabeça por um serviço de streaming como o Spotify. Pequenas facilidades que mudaram a relação das pessoas com o mundo, com os serviços e com outras pessoas também.

Toda esta tecnologia também chegou ao mundo corporativo: bater ponto online e folha de pagamento na nuvem são bons exemplos de como a Internet das Coisas está cada vez mais perto. E muito ainda está por vir: você já ouviu falar em RH 4.0?

O RH 4.0 pode ser entendido como a transformação da área de Recursos Humanos segundo a 4ª Revolução Industrial. Nesse sentido, o RH se torna mais automatizado, focando suas atividades em questões estratégicas e não mais em ações manuais.

O conceito surgiu da 4ª Revolução Industrial de Klaus Schwab em seu livro que apresenta o conceito. O livro apresenta a sociedade e as organizações que se deparam com novos desafios impostos pelas tecnologias e pela transformação digital.

Com a chegada da era 4.0 na área de Recursos Humanos, a gestão de pessoas enfrenta uma realidade transformacional, diante de quebras de paradigmas e de mudanças exponenciais, não apenas nos processos e ferramentas, mas também na forma de lidar com o trabalho.

Novo perfil de colaborador, menor tempo de trabalho, uso de recursos online e inovadores, multimeios, novas formas de gestão com mais inclusão, engajamento delegação, colaboração, diversidade, criatividade e compartilhamento. Ágil e digital são muito mais que conceitos, são mudança de mindset, de cultura. Será que estamos preparados?

Novo perfil de colaborador

Muito além da operação e controle, os postos de trabalho estão se modificando, muda também a maneira como lidamos com o trabalho. Antigamente ficávamos presos a uma empresa por muitos anos, hoje somos nômades organizacionais.

Os profissionais estão mais exigentes em relação ao seu ambiente de trabalho. Eles estão mais flexíveis e uma carreira de sucesso não significa passar 20 anos na mesma empresa. Dessa forma, é papel do RH identificar o perfil ideal de colaboradores para o negócio e encontrar esses talentos no mercado.

Não podemos mais tratar o processo de Recrutamento e Seleção como algo mecânico. Profissionais de recrutamento precisam entender os novos perfis, cargos, papéis e responsabilidades, entender as conexões, valores e perfis dos candidatos.

Menor tempo de trabalho

Com a automação proporcionada pela tecnologia, os profissionais não necessitam mais realizar tarefas manuais, o que permite que eles trabalhem menos. O papel do RH aqui é mantê-los motivados nesse cenário, incentivando a produtividade. Home office já é uma realidade. Ser workaholic está fora de moda! A avaliação do colaborador passa a ser feita por produtividade e não mais por presença.

Home business

Com o fortalecimento do home office é preciso ter a clareza das metas a serem atingidas pelo profissional, oferecendo a pessoa que trabalha remotamente o sentimento de dono e autonomia. As reuniões de divulgação de resultados da empresa e confraternização com os colaboradores, inclusive os que trabalham  a distância, garantem o sentimento de pertencimento e contribui para o relacionamento empresa-colaborador, para que esse não se sinta distante e “abandonado” pela organização.

O uso de recursos online

A gestão e os processos organizacionais serão virtuais. Como resultado: diminuição da burocracia e sustentabilidade.

Folhas de pagamentos, contratos, homologações e outros procedimentos não serão mais registrados em papel. Máquinas farão os cálculos e o processo de rescisão será um flag no seu e-mail. Sua homologação será digital e seu registro na empresa um arquivo em nuvem.

Liderança 4.0

Não há verdadeiro desenvolvimento sem o envolvimento das pessoas. As lideranças aprenderão que compartilhar é melhor do que mandar. Aprenderão a lidar com novas mentalidades, muito mais conectadas ao tecnológico. Com equipes virtuais, com robôs, com o ciberespaço. É preciso sensibilizar para o Mindset Digital.

Os resultados não virão mais do poder, do domínio, do comando e controle, mas sim, da cultura colaborativa, de capacitação e inovação, algo transformador que gere resultados tanto para empresa, quanto para os funcionários.

Os líderes de RH

A liderança de RH precisa estar focada em novos modelos de:

  1. Redesenhar a forma de avaliar as pessoas.
  2. Facilitar a interação do homem com a máquina
  3. Aprimorar o julgamento humano
  4. Incorporar competitividade às operações de RH
  5. Administrar conflitos de gerações e usá-los a favor das empresas
  6. Ter um RH construindo respostas, em vez de ficar à espera delas
  7. Preparar colaboradores para interagir com a diversidade e as novas crenças

Fazer essa transformação significa sair da caixa, testar, errar, se adaptar, derrubar barreiras e evoluir.  Uma revolução está acontecendo. O RH como conhecemos deve ser transformado, para de fato ser um parceiro do negócio.

Quer conhecer mais sobre o meu trabalho? Entre em contato pelo e-mail: jpvcoutinho@gmail.com

É hora da Transformação Digital… mas e as pessoas?

João Paulo Coutinho

Somos protagonistas de uma nova revolução industrial, na qual avanços como a Internet das Coisas, as mídias digitais, as novas tecnologias de armazenamento, o Blockchain e a Computação Cognitiva abrem novas vias para a eficiência e inovação empresarial. Esta onda de inovação tem sido chamada de 4ª Revolução Industrial, devido ao impacto de transformação em todos os níveis que conhecemos hoje.

O modelo de startup permite que uma nova ideia se transforme em um novo produto de forma muito rápida. Empresas como Netflix, Uber, AirBnB e Spotify revolucionaram suas industrias, criando e conquistando novos mercados que as empresas tradicionais até então não sabiam que existiam, ou simplesmente menosprezavam o seu potencial. O fato é que esses novos negócios ameaçam negócios muito antigos e estabelecidos, como contabilidade e direito por exemplo.

Estima-se que até 2020, todos os setores estarão sujeitos a serem transformados. E é por isso que tantos empresários, CEOs e diretores  estão correndo contra o tempo. No Brasil, grandes organizações estão buscando se preparar e transformar seus negócios para o futuro. Temos visto vários cases de empresas, que estão criando as suas próprias startups ou laboratórios de inovação. Recentemente em uma grande seguradora, que abriu a sua startup, ouvi do cliente: “Criamos a nossa startup para que ela possa “quebrar” ou comprar o nosso negócio. É melhor investir e viver este cenário, do que ser engolido pelo vizinho.”

O “X da questão” é que quando buscam a transformação digital, muitas empresas têm colocado seu foco na tecnologia, na presença digital, na forma de criar experiências e se relacionar com seus clientes, mas esquecem de colocar seus principais recursos nesta transformação: seus colaboradores.

As pessoas como motor de mudança

Transformação 1

São as pessoas que conduzem e tornam possível qualquer processo de mudança. É preciso envolver a equipe nos objetivos do negócio, para que os colaboradores interiorizem o sentimento de mudança e se sintam parte dela. Em qualquer metodologia que trabalhe Gestão de Mudanças, um dos principais pontos trabalhados são Pessoas.

A transformação digital verdadeira, acontece de dentro para fora. Estamos falando de levar uma empresa, de gestão tradicional, para o futuro, para um mundo de infinitas possibilidades, mas cheio de incertezas. E nesse contexto é preciso responder rápido as mudanças, ser flexível, adaptativo e aberto ao erro.

Durante o processo, é muito provável que se perceba que é preciso incorporar novos perfis ou aprimorar o talento de alguns membros da equipe.

As empresas precisam ajudar as pessoas a desenvolverem as habilidades necessárias para o mundo digital. No último artigo que escrevi aqui no meu site falei sobre as competências esperadas do profissional do futuro. E incluo que para a transformação digital, além dessas competências é preciso desenvolver propósito e a visão de futuro, impedindo assim que o medo domine as oportunidades, causando resistência a mudança e falta de entusiasmo para que ela aconteça.

A outra questão é a importância de se formar agentes de mudanças com coragem de questionar o status quo e ajudar os outros a saírem de suas zonas de conforto. Para encarar estes desafios sem frustração ou desistência são necessárias ferramentas e técnicas inovadoras, baseadas em lições aprendidas em campo e muito feedback.

A tecnologia mudou nosso mundo, mas não podemos perder de vista que empresas são formadas por pessoas e são elas que determinam o sucesso ou o fracasso de qualquer transformação. Ser pioneiro em tendências e em tecnologia, inovar e competir em mercados digitais não pode ser um objetivo por si só, mas deve ser o caminho para um novo contexto onde exista o diálogo, a transparência, a liderança distribuída, a experimentação e o aprendizado contínuo.